4 atividades para trabalhar eficiência energética em sala de aula

15/03/2022

Trabalhar eficiência energética com os estudantes ajuda a desenvolver habilidades para resolver problemas do dia a dia. Confira a lista de atividades!

Cada vez mais as demandas do mundo moderno impactam a educação. Sendo assim, trabalhar temas como eficiência energética em sala de aula pode ajudar a desenvolver competências essenciais para os cidadãos do século XXI.

Apesar do conceito de energia elétrica estar contemplado dentro das Ciências da Natureza, existem muitas possibilidades de abordar o tema de forma interdisciplinar. Afinal, a produção de eletricidade envolve aspectos sociais, econômicos e ambientais.

Ou seja, a energia está presente nas mais diversas situações cotidianas. Por isso, reconhecer os benefícios do uso de fontes limpas e a importância do consumo consciente também deve fazer parte da formação integral de crianças e jovens.

Não à toa, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) incluiu Energia e Eficiência Energética entre os direcionamentos para o currículo escolar. A partir deste eixo temático, os educadores podem trabalhar o letramento científico com os estudantes.

Nesse sentido, o foco é desenvolver habilidades necessárias para compreender e articular conceitos ligados aos discursos da Ciência. Dessa forma, os conhecimentos são colocados em prática na resolução de problemas do dia a dia.

O que consumo consciente de energia tem a ver com educação?

Eficiência energética na prática

Logo, trabalhar por meio de projetos pode ser uma excelente maneira de trazer reflexões sobre eficiência energética para a sala de aula. A ideia é envolver os estudantes em desafios práticos e experimentos colaborativos.

Por exemplo, que tal fazer uma simulação que explica porque a janela de casa vibra quando um carro passa na rua com som alto? Ou ainda convidar os estudantes para medir a energia gasta em uma escola.

Esses são alguns exemplos de atividades propostas pelo CPFL nas Escolas – Energia em Jogo. O projeto organiza ações educativas para difundir uma cultura de eficiência energética e desenvolvimento sustentável em escolas do estado de São Paulo.

Além disso, a iniciativa oferece recursos didáticos gratuitos para estudantes e educadores vinculados às redes parceiras. Entre eles estão livros com atividades, videoaulas, jogos virtuais e dicas de experimentos.

Com base na metodologia do CPFL nas Escolas, separamos 4 atividades para trabalhar eficiência energética em sala de aula:

1. Dicionário Colaborativo de Eficiência Energética

Que tal trabalhar conceitos da Física a partir de um dicionário ilustrado e colaborativo sobre eficiência energética? Desse modo, os estudantes são incentivados a pesquisar sobre as diferentes formas de energia com exemplos e ilustrações.

Primeiramente, os educadores devem introduzir os conceitos que pretendem trabalhar com os estudantes. Em seguida, podem dividir a turma em grupos e distribuir um tema de investigação para cada um.

Logo depois, a ideia é criar uma espécie de verbete definindo o conceito que investigaram. Tanto textos quanto ilustrações são válidos nesta etapa, a depender da faixa etária e do objetivo de aprendizagem.

Por último, todos os grupos devem juntar as definições, montar o dicionário colaborativo e disponibilizá-lo para que mais pessoas da comunidade escolar tenham acesso ao material. A avaliação é feita durante o processo de montagem, conforme o desempenho dos estudantes.

2. Projeto: Consumo de energia na escola

Antes de tudo, a proposta desta atividade é exercitar a observação para descobrir como a energia elétrica é usada na escola. Assim, os estudantes têm a oportunidade de identificar problemas e solucioná-los com base em um contexto.

Em primeiro lugar, os educadores propõem à turma um passeio pelo ambiente escolar. O objetivo é observar os pontos de fornecimento de energia elétrica e identificar irregularidades, como lâmpadas quebradas ou salas sem tomadas.

Posteriormente, os estudantes devem entrevistar os responsáveis pela manutenção dos equipamentos elétricos e eletrônicos, a fim de entender como eles trabalham. Depois, todas essas conclusões serão reunidas em um documento.

Por fim, a avaliação levará em consideração as descobertas e também as propostas dos estudantes para resolver ou minimizar os problemas identificados. Portanto, a ideia é que a turma pense em soluções de eficiência energética para a escola.

​3. Calculando a eficiência energética dos aparelhos

Sob o mesmo ponto de vista, esta atividade convida os estudantes a aplicarem os conhecimentos na realidade em que vivem. O objetivo é aprender a calcular o consumo médio de energia de um aparelho com base no conceito de potência energética.

A princípio, os educadores podem começar estimulando a reflexão sobre quais são os eletrônicos e eletrodomésticos que mais consomem energia. Em seguida, vem o momento de explicar a eles que a potência é medida em Watt e tem relação com as horas de uso do aparelho.

Conforme a turma avança, desafios podem ser criados para que os estudantes avaliem a eficiência energética com base no selo Procel. Ao final da atividade, a expectativa é que os estudantes entendam como fazer escolhas mais conscientes.

Além disso, um possível próximo passo é fazer a leitura conjunta de uma conta de luz. Assim, os estudantes poderão refletir sobre quais aparelhos representam o maior gasto para cada família.

4. Campanhas de utilidade pública

Finalmente, a última atividade se dedica a multiplicar o conhecimento adquirido para a comunidade. Por que não criar campanhas de utilidade pública para conscientizar os familiares e amigos sobre o que é eficiência energética?

Após passar por um percurso de desenvolvimento — que inclui a capacidade de observar, experimentar, pesquisar, identificar, classificar e analisar — os educadores podem auxiliar a turma no processo de sistematização e divulgação desse conhecimento.

Definitivamente, as possibilidades são múltiplas. A turma pode divulgar panfletos em estabelecimentos próximos, criar conteúdos para as redes sociais e até mesmo assumir o papel de professores por um dia, organizando uma palestra para a comunidade escolar.

Seja como for, o importante é diversificar os cenários de aprendizagem. Como resultado, os estudantes terão acesso a uma aprendizagem significativa e interdisciplinar.

Planejando as aulas com o CPFL nas Escolas!

Quer inserir as atividades mencionadas acima no seu plano de aula? Você pode encontrar o detalhamento completo delas nos cadernos didáticos do CPFL nas Escolas. O material, voltado para crianças do 4º ao 9º ano, está disponível gratuitamente para download.

Além disso, no site do projeto você também encontra jogos virtuais que vão ajudar os estudantes a testarem os conhecimentos sobre eficiência energética enquanto se divertem. Confira!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

INICIATIVA
REALIZAÇÃO
POLÍTICA DE PRIVACIDADE